O que São Microplásticos? Como os Biodegradáveis Podem Evitar?

A vida moderna é inimaginável sem polímeros. Apesar de todos os benefícios, os plásticos hoje estão sendo severamente discutidos como materiais responsáveis por efeitos nocivos ao meio ambiente, poluição do plástico, principalmente o plástico com menos de 5 mm de tamanho (também chamados de microplásticos [MPs]) que permanece no meio ambiente.

Se os polímeros biodegradáveis podem ser uma das soluções para o problema dos resíduos plásticos, é uma questão frequentemente levantada neste contexto.

Continue a leitura e compreenda em consistem os microplásticos, sua relação com os plásticos biodegradáveis e como a Goldenplast escolheu sua tecnologia de biodegradabilidade.

Em que Consistem os Microplásticos

A estabilidade dos polímeros contra fatores ambientais, produtos químicos, microrganismos e hidrólise tem desafiado a sociedade, com o acúmulo de resíduos plásticos e seu gerenciamento em todo o mundo.

Grandes quantidades de lixo plástico se acumulam no ambiente e se desintegram em microplásticos (pedaços pequenos com menos de 5 mm de tamanho).

A maioria dos plásticos detectados como MPs no ambiente são poliolefinas (polietileno (PE) e polipropileno) e tereftalato de polietileno (PET). Esses polímeros de alta massa molar com uma estrutura de carbono-carbono ou C-heteroátomo muito estável persistem no ambiente por um longo tempo, abrangendo várias dezenas e centenas de anos.

Impacto dos Microplásticos no Meio Ambiente

Como um campo de estudo emergente, ainda não se sabe muito sobre os microplásticos e seus impactos. Entretanto, já sabemos que essas minúsculas partículas passam facilmente pelos sistemas de filtragem de água e acabam no oceano e nos Grandes Lagos, representando uma ameaça potencial à vida aquática.

Essas partículas são ingeridas por plâncton, bivalves, peixes e até baleias, que as confundem com comida. Em 2016, um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) relatou a presença de microplásticos em até 800 espécies de peixes, crustáceos e moluscos.

No final de 2018, um estudo do Greenpeace e da Incheon National University concluiu que 90% das marcas de sal amostradas no mundo continham microplásticos. E também se sabe que a água da torneira contém pequenas partículas de plástico.

Em relação ao efeito dos microplásticos no organismo humano, ainda nenhuma evidência foi encontrada de que partículas maiores de microplásticos representem um risco para a saúde dos seres humanos. Por outro lado, as partículas pequenas são mais arriscadas porque podem entrar na corrente sanguínea, no sistema linfático e chegar ao fígado.

O Papel dos Biodegradáveis

É importante recapitular alguns dos fundamentos da biodegradação, a fim de compreender o papel dos polímeros biodegradáveis no contexto da questão dos MPs.

A degradação pela ação de microrganismos é chamada de biodegradação. Em um nível molecular, é principalmente um processo de duas etapas que pode ocorrer em qualquer lugar, por exemplo, no solo, na água ou em seres humanos, em que o produto varia, dependendo da disponibilidade de oxigênio.

Uma vez que o processo de biodegradação é afetado não apenas pelas propriedades do polímero, mas também depende dos fatores ambientais, como a disponibilidade de oxigênio e luz, pH, temperatura, umidade, micro-organismo e tipo de enzima e concentração de enzima, o mesmo polímero mostra diferente taxas de degradação em diferentes ambientes, como água, solo e condições fisiológicas.

Além disso, é importante que a biodegradabilidade de um polímero seja comprovada em condições ambientais naturais e que o polímero se biodegrade completamente em um curto espaço de tempo para que não persista no meio ambiente.

Isso é de grande importância quando esses polímeros são considerados, em vez de plásticos convencionais, como uma solução para resolver o problema da poluição do plástico em um ambiente natural não controlado.

Os Biodegradáveis Goldenplast

O Go Green P-Life, o aditivo que utilizamos para tornar nossos produtos biodegradáveis, é o único produto no mundo que passou no teste de biodegradabilidade SPCR141, do Instituto SP (agora chamado de RISE): o instituto científico mais respeitado da Escandinávia.

O certificado SPCR141 é um padrão rigoroso de aprovação / reprovação criado pelo instituto SP especificamente para testar a biodegradabilidade de aditivos plásticos em relação a PE e PP. É de longe o mais abrangente e rigoroso teste de biodegradabilidade disponível na indústria. Leva no mínimo 2 anos para ser conduzido em ambientes reais. Até agora, o princípio ativo P-life é o único no mundo a conseguir passar por essa certificação.

No certificado de biodegradabilidade conclui o seguinte: “91% de biodegradabilidade foi alcançada sem atingir uma fase de platô. Este resultado tem duas implicações importantes. O mais importante é que é possível criar materiais que se biodegradem no solo em 2 anos, período em que o teste é feito. Também indica que o risco de fragmentos plásticos permanecerem no solo indefinidamente é muito baixo”.

Referência: Eco Ventures Bioplastics

Descartáveis com Amor? Compartilhe